Forte Dom Pedro II

Forte Dom Pedro II

Social Share Counters

O Forte D. Pedro II localiza-se na zona norte da cidade, ao final da Rua Ulhoa Cintra.

Possui a forma de um polígono hexagonal e suas paredes construídas em pedra e cal têm a altura de 8 a 10 metros, com mais de um metro de espessura. Sua área é de 27.000m² na parte externa e 19.000m² na parte interna. A ideia era fortificar a Vila de Caçapava, por julgar iminente a invasão de nossas fronteiras.

Em 1848, o General Soares de Andréa, Presidente da Província e comandante das armas, com consentimento do Governo Imperial, iniciou a construção do Forte, em terreno adquirido pela Fazenda Nacional de Manuel Lourenço de Brito. O Forte que tomou o nome de Forte Dom Pedro II, teve o seu projeto feito pelo próprio Gal. Andréa, que possuía os cursos de matemática, astronomia, navegação e engenharia militar. Sua construção se desenvolveu num bom ritmo até 17 de fevereiro de 1850, quando o Gal. Andréa foi substituído. Daí em diante as obras prosseguiram lentamente até dezembro de 1856, quando pararam definitivamente.

 

 

Comentários

  1. Não só visitei varias vezes como também em 1968, morei ao lado dele na antiga casa do Verdureiro, Sr. SAVADOR.muito assustado atravessei á noitinha varias vezes pois contavam os mais velhos que apareciam ” assombros” mas nunca vi nada, sempre foi um local curioso, caminhei em suas paredes por toda volta , é uma obra de arte histórica e um cartão postal da nossa CAÇAPAVA DO SUL

    Itacir Freitas vasconcelos em 22 de dezembro de 2012 às 17:17

  2. Alheio a verdadeira função do Forte, a gente jogava futebol ali, praticamente todos os dias.
    Pra mim aí esta um lugar mágico, inesquecível…Quem sabe….Sagrado!

    Edson Mendes em 16 de junho de 2013 às 20:26

  3. Morava em Santa Maria, mas as férias eram sempre em Caçapava. Conhecia o Forte em todos os detalhes. Numa exposição de gado havida lá pela década de 1940/50 (já nem lembro) um touro escapou de seu reduto e passou a correr atrás das pessoas, escolhendo-me como alvo. A única saída que encontrei foi pular pelo paredão de pedras da entrada do Forte. Para minha sorte, o paredão era baixo e a grama amorteceu a queda. O touro? Também pulou, mas caiu um pouco mais à frente de onde caí, tendo se levantado e corrido para a cidade, ocasionando um belo alvoroço.

    Toni Fernando Vargas Herzer em 7 de novembro de 2013 às 9:04